14 maio 2015

SORTEIO do livro "Rani e o Sino da Divisão"

Se tem um autor nacional para o público jovem que todos deveriam conhecer, com certeza é Jim Anotsu. Eu nem falo tanto como antes porque parece que virou puxa-saquismos, mas juro que meu afeto é genuíno.

Rani e o Sino da Divisão é o terceiro livro do autor, lançado ano passado na 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (tenho foto e autografo ha-ha). Foi mais ou menos nessa época que a editora enviou o livro para eu sortear para você e até hoje ele está aqui paradinho (Sorry!). Por esse motivo, vamos aproveitar que a resenha saiu quentinha lá no canal e sortear logo esse livro que merece demais ser lido por vocês.

No último sorteio, muita gente ficou chateada por não ter Facebook e um dos requisitos ser ter curtido a nossa fanpage. Dessa vez, para atender todo mundo, o único requisito obrigatório para participar é ser inscrito no canal. Claro que se você também curte a fanpage e me segue no twitter vai ganhar uns pontinhos extras, não é mesmo? Mas no geral é isso. O sorteio será feito pela ferramente Rafflecopter que já é conhecida no meio literário, se tiver alguma dúvida é só googlear que é fácil achar informação, mas qualquer  coisa pode me mandar uma mensagem.

Boa sorte!


PERÍODO PARA SE INSCREVER: 14/05/2015 - 14/06/2015
DATA DO SORTEIO: 15/06/2015
(não se esqueça de ler os termos e condições lá no finalzinho)


E para quem quiser saber mais a respeito do livro, olha a resenha aí :)




INSCREVA-SE NO SORTEIO






TERMOS E CONDIÇÕES

1) Requisitos

- Ser residente no Brasil;
- Ser inscrito no canal Papo de Estante ;
- Possuir um e-mail para contato, caso ganhe.

2) Período de inscrição, data de sorteio e resultado

As inscrições estarão abertas entre os dias 14/05/2015 e 14/06/2015. O sorteio será realizado no dia 15/06/2015. O resultado será disponibilizado na fanpage, no twitter e nesta publicação, sendo o vencedor também avisado por e-mail.

3) Entrega do livro

- O ganhador terá 7 dias a contar da data do recebimento do e-mail para respondê-lo e enviar os dados solicitados. O não envio das informações nesse período será considerado como desistência e ele perderá o direito ao livro, sendo realizado novo sorteio.
- O Papo de Estante terá um prazo de 30 dias, a contar da data de recebimento dos dados do ganhador, para fazer a postagem.


29 abril 2015

Doctor Who: mortalha da lamentação, de Tommy Donbavand


ISBN: 9788581052649
TÍTULO: Doctor Who: Mortalha da lamentação
AUTOR:  Tommy Donbavand
EDITORA: Suma de Letras
PÁGINAS: 172
ANO: 2015

Doctor Who é a série de ficção científica mais antiga no ar e uma das mais cultuadas no mundo.  Veiculada no Brasil pela TV Cultura e a BBC HD, série britânica de TV completou 50 anos em novembro de 2013 com grande repercussão, sendo o programa do gênero transmitido há mais tempo e para mais países no mundo.Em Doctor Who – Mortalha da lamentação, é o dia seguinte ao assassinato de John F. Kennedy — e o rosto de pessoas mortas começa a aparecer por toda parte. O guarda Reg Cranfield vê o pai na névoa densa ao longo da estrada Totter Lane. A repórter Mae Callon vê a avó em uma mancha de café na mesa de trabalho. O agente especial do FBI Warren Skeet se depara com seu parceiro falecido há muitos anos olhando para ele através das gotas de chuva no vidro da janela.Então os rostos começam a falar e gritar. São as Mortalhas, que se alimentam da tristeza alheia, atacando a Terra. Será que o Doutor conseguirá superar o próprio luto para salvar a humanidade?


Doctor Who: Mortalha da lamentação é um livro de Tommy Donbavand, publicado no Brasil pela editora Suma das Letras. Ele faz parte da New Serie Adventures, uma série de livros baseados na série de TV Doctor Who e lançados paralelamente a esta, sendo Mortalha da Lamentação um dos últimos a serem publicados lá fora. 

Não é necessário estar por dentro do universo de Doctor Who para entender o que se passa na história, porém eu acredito que aquele que nunca teve contato com a série vai achá-lo meio sem graça. As piadas, as referências a acontecimentos da série de TV e o próprio comportamento caricato do Doutor talvez não façam muito sentido a um olhar de fora. Na resenha do Mundo dos Livros, por exemplo, Isabelle Vitorino fala que esperava algo mais obscuro na narrativa e não o pé na comicidade que ela encontrou; quem acompanha Doctor Who sabe que essa "comicidade" é uma característica marcante da série (e vamos abrir um parêntese aqui: essa é uma das melhores partes! ). Dessa forma, acredito que o livro seja realmente interessante e melhor aproveitado por alguém que seja fã, o que não impede que outras pessoas leiam, mas fica aí a ressalva.

Nesta resenha, vou partir do pressuposto  que quem a ler já tem conhecimento sobre a série, sem me aprofundar muito, visto que o próprio livro não traz essa profundidade e vai direto aos acontecimentos.

Mortalha da Lamentação se passa nos Estados Unidos no dia 23 de novembro de 1963, um dia após o assassinato do presidente John F. Kennedy. O luto dos americanos é base para o surgimento de um vilão que nunca foi retratado pela série, mas que tinha um potencial enorme para estar lá.

Sabe quando olhamos para uma mancha na parede, um desenho abstrato em uma tecido, uma macha de café sobre a mesa... e de repente achamos que essas manchas tem a forma de alguma outra coisa? Pois aqui essas manchas começam a se transformar em rostos de pessoas mortas que aparecem para atormentar algum de seus entes vivos. Temos, então, as Mortalhas, alienígenas que se alimentam da tristeza, sentimento de culpa e dor. E que outro dia melhor do que esse para confrontar a raça humana, não é mesmo? Nesta aventura do 11º Doutor e Clara, acompanhamos a tentativa de buscar uma forma de vencer as criaturas, antes que elas tomem todo o planeta Terra.

Acredito que o autor do livro conseguiu captar muito bem o relacionamento entre o Doutor e a Clara. As briguinhas, os comentários engraçados totalmente fora de hora - e muitas vezes até do contexto - são bastante compatíveis com aquilo que vemos na série televisiva, não tem como evitar lembrar deles. Por outro lado, não existe um aprofundamento dos personagens, inclusive daqueles que fazem parte apenas do livro. Os diálogos são diretos, inteligentes, mas pouco transparecem os sentimentos do personagens, soando às vezes mais como roteiro do que livro.

A história poderia facilmente tornar-se um episódio. Está tudo lá: as ações do doutor, as aventuras, o bom humor, a reflexão a respeito das perdas que cada um enfrenta ao longo da vida e, claro, aquela metáfora gigante que reflete a humanidade e te deixa com o coração aquecido.

Para quem não teve contato com a série, o livro não iluminará muito a respeito dela. Ele pode ser uma opção se a intenção for se familiarizar em como é o desenrolar de um episódio, porém não mostrará toda a complexidade que há nessa série maravilhosa e nem perderá tempo com explicações a respeito. Agora, para quem já está familiarizado com o universo do nosso Doutor queridinho e está buscando uma leitura objetiva, sem tanta profundidade em termos narrativos, Mortalha da Lamentação é uma boa opção. Aliás, acredito que quando mais histórias sobre Doctor Who existir por aí, melhor , mesmo que você não esteja buscando nada disso hahaha :) Doctor Who nunca é demais nas nossas vidas. 



Um dia de cada vez, de Courtney C. Stevens



ISBN: 9788581052366
TÍTULO: Um dia de cada vez
AUTOR:  Courtney C. Stevens
EDITORA: Suma de Letras
PÁGINAS: 232
ANO: 2014
Alexi Littrell era uma adolescente normal até que, em uma noite de verão, sua vida é devastada. Envergonhada, a menina começa a se arranhar e a contar compulsivamente — uma tentativa de fazer a dor física se sobrepor ao sofrimento que passou a esconder de todos. Ela só consegue sobreviver ao terceiro ano do ensino médio graças às letras de música que um desconhecido escreve em sua carteira. As canções parecem adivinhar o que o coração de Alexi está sentindo.

Bodee Lennox nunca foi um adolescente normal, mas agora é o menino que teve a mãe assassinada pelo pai. Em seguida, ele vai morar com os Littrell, e Alexi acaba descobrindo que o “Garoto Ki-Suco”, o quieto e desajeitado menino de cabelos coloridos, pode ser um ótimo amigo.

Em Um dia de cada vez, Alexi e Bodee, ao mesmo tempo em que fingem para o resto do mundo que está tudo bem, passam a apoiar um ao outro, tentando viver um dia de cada vez.

 Um dia de cada vez, de Courtney C Stevens, é uma daquelas histórias que te pegam pela mão, te fazem amar, te fazem sofrer, te fazem cair em um abismo profundo e por fim retornar à superfície no último minuto. É um daqueles livros que ninguém te indicou, você nunca ouviu falar dele, mas a vida achou por bem jogar ele no seu caminho.  E isso é mágico. Descobri a obra no Skoob, analisei a sinopse e fiquei bastante interessada. Li e aqui estou eu, com o coração apertado e um turbilhão de emoções.

O livro é contado pelo ponto de vista de Alexi, uma garota que levava a vida de uma adolescente normal, até que um dia algo terrível acontece. Se sentindo envergonhada e culpada - afinal, ela não fez nada para parar seu agressor, certo? - Alexi esconde sua dor de todos a sua volta e constantemente machuca a si mesma, para que a dor física não deixe escapar a dor que ela guarda em seu interior. É nas letras de música que ela troca com um desconhecido em sua carteira que Alexi vai encontrando forças para seguir em frente e tentar deixar para trás o episódio que ainda a atormenta.

As coisas começam a mudar quando Bodee Lennox - conhecido na escola como o "garoto ki-suco" - tem a mãe assassinada pelo pai e vai morar com sua família. As mães dos dois eram muito amigas, e a mãe de Alexi vê a oportunidade de ajudar o adolescente que está passando por um momento difícil com a mãe morta e o pai preso, sem saber que a própria filha também precisa de ajuda. Alexi vai descobrir no esquisito de cabelos coloridos uma amizade sincera, diferente de qualquer outra que já tenha experimentado.

O livro aborda os temas de violência doméstica e abuso sexual com bastante consistência, com ênfase  maior no segundo. Sobre a mesma temática, já li Fale da incrível Lauren Halse Anderson, o qual me encantou e recomendo, porém acredito que Um dia de cada vez nos leva a um nível ainda mais profundo do que sente uma pessoa que passa por uma situação como essa.  Creio que esse resultado venha do fato da própria autora ter sofrido esse tipo de abuso, algo revelado por ela mesma nas notas finais, apesar de não entrar em detalhes a respeito.

Gostei da forma como a autora aborda o tema, principalmente em relação a questão da culpa pelo abuso. Sabe-se que muitas das vítimas de abuso sexual culpam a si mesmas por terem "deixado" que algo acontecesse com elas e é difícil fazê-las enxergar que são vítimas. É comum na nossa sociedade atual as vítimas serem responsabilizadas pelo ocorrido, seja pela roupa, seja porque estavam no lugar errado, seja porque beberam o que não deveriam ter bebido... entre tantas outras desculpas que são lançadas como se fossem o suficiente para justificar tamanha barbaridade. Livros como esse são importantes tanto para abrir os olhos daqueles que se usam dessas desculpas para julgar, quanto das vítimas que precisam perceber que se alguém deve ser responsabilizado, esse é o seu agressor.

No mais, a escrita da autora é fluida, suas palavras são certeiras e não há como não se solidarizar com os dois adolescentes tentando recolher seus próprios cacos. A interação entre eles e a forma como se ajudam, muitas vezes sem dizer uma palavra, é única e profunda. A amizade torna-se a força que os move e não há coisa mais bela do que essa.

Por fim, desato o nó na minha garganta que esse livro deixou, apenas dizendo: por mais YAs como esse, por favor.



16 abril 2015

7 dicas para economizar ao comprar livros | meioVEDA#2




Já faz tempo que eu queria fazer um vídeo sobre o assunto. Quem é que não gosta de gastar menos, não é mesmo? HAHA Neste vídeo, eu dou algumas dicas que eu mesma uso para me ajudar a economizar na hora de comprar um livro.


15 abril 2015

meioVEDA - Juro que este vídeo não é uma miragem





Depois de dois meses sem dar as caras, a vergonha se apoderou de mim e aqui estou eu. Passei por um período de mudanças e contratempos que eu explico melhor no vídeo. Juro que minha ausência é completamente justificável.

Para compensar vocês, resolvi criar o "meioVEDA", que nada mais é do que um VEDA pela metade (em outras palavras, a desculpa que eu usei para poder participar do VEDA começando agora na metade do mês). Espero que gostem da novidade e até o vídeo de amanhã :)




© PAPO DE ESTANTE - 2012-2015. Todos os direitos reservados. Crie, não copie. Design por: Bruna Camargo. Tecnologia do Blogger.